Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Notícias

Fuchsia OS: Google lança site do sistema que pode substituir Android

Novo sistema pode ser usado em diversos dispositivos.

Sem fazer alarde, o Google colocou no ar o site do Fuchsia OS, sistema operacional de código aberto que poderá ser usado em diferentes aparelhos como celulares, tablets e notebooks. Sendo assim, uma das suas grandes vantagens é a versatilidade.

O anúncio do Fuchsia OS foi feito em maio, em uma conferência para desenvolvedores. Mas a página oficial do sistema só foi ao ar no dia 28 de junho.

Esse é um projeto tocado pelo Google há alguns anos, e parece ter ganhado novo fôlego. Em janeiro de 2019, por exemplo, a empresa contratou um engenheiro de software da Apple para trabalhar no sistema.

De acordo com o Google, o novo sistema não irá substituir o Android. Porém, existe a possibilidade dele ser compatível com diversos aplicativos já disponíveis na Play Store, por meio de uma espécie de emulador. Além disso, há rumores que indicam que o Fuchsia OS pode substituir o ChromeOS. 

 

Os melhores celulares Android estão na loja online da TIM com o melhor preço do mercado! Acesse e confira.

 

Site do Fuchsia OS pode ser usado por desenvolvedores 

 

A página do novo sistema do Google, a fuchsia.dev, parece embrionária, mas já traz informações importantes como instruções de primeiros passos, glossário, documentação com detalhes do  Fuchsia OS, e um guia para criar e executar apps na plataforma.

Dessa maneira, desenvolvedores já podem começar a testar o sistema, criando aplicativos. Entretanto, os aparelhos compatíveis ainda são limitados. Entre eles estão o Acer Switch Alpha 12, o Google Pixelbook e algumas gerações do PC Intel NUC.

 

Fuchsia OS pode ser solução para internet das coisas 

 

O novo sistema é baseado no microkernel Zircon, o que vem causando comparações com o Linux, uma vez que o ChromeOS e o Android são baseados no Kernel do Linux. Essa espécie de núcleo do sistema é responsável pela integração entre o hardware do aparelho e o software.

No entanto, segundo a gigante de tecnologia, esse sistema não é como o Linux, mas sim uma plataforma modular, que pode ser customizada.

Isso porque o Kernel usado pelo Fuchsia é mais enxuto e promete ser leve tanto em máquinas com muito poder de processamento, quanto nas mais simples. Assim, seria possível usar o novo sistema inclusive em aparelhos voltados para a internet das coisas, como eletrodomésticos.