Dicas

Como aumentar a precisão do leitor biométrico do seu celular

Leitor de impressões digitais oferece maior segurança e agilidade do desbloqueio no celular.

Como a maior parte das tendências em smartphones, o leitor de impressões digitais apareceram primeiro nos modelos mais avançados. Porém, isso já faz um tempo e, atualmente, mesmo alguns celulares bem básicos já contam com o recurso.

Em um primeiro momento, o leitor biométrico do celular chegou para substituir o desbloqueio por senhas ou padrões desenhados na tela. E, realmente, esse sistema de segurança é bem mais prático. Afinal, no lugar de digitar a senha ou fazer o desenho padrão, é só você posicionar o dedo no sensor.

Além disso, o uso do leitor biométrico para desbloqueio do aparelho também é bem mais seguro. Senhas numéricas ou padrões podem ser descobertos com um pouco de observação ou só pelas marcas dos dedos nas telas. Já as impressões digitais são impossíveis de copiar, certo? Assim, você tem maior proteção nas suas informações e também garante que ninguém sem autorização use seu plano de internet e chamadas.

Para que isso seja realmente uma vantagem no dia a dia, vale seguir algumas dicas que garantem a praticidade, e a agilidade, do recurso.

Saiba como aumentar a precisão do leitor biométrico do seu celular e aproveitar melhor as suas possibilidades!

 

Chegou a hora de comprar um celular novo? Conheça os melhores aparelhos e planos da Tim, com opções para quem usa mais internet ou chamadas telefônicas!

 

Como fazer o cadastro das impressões digitais

 

O primeiro passo é cadastrar as impressões digitais no seu aparelho. Quem tem um celular Android, deve abrir a ferramenta de Configurações. Em seguida, procure pela aba Segurança e, então, Gerenciamento de Impressões Digitais. Nos smartphones Apple, clique em Configurações, depois vá até a aba Touch ID e Senha. Selecione a opção Impressões Digitais.

Depois, é só seguir as instruções de cadastro de cada aparelho.

 

Marque  duas vezes o dedo mais usado

 

A posição mais fácil de desbloquear o celular com o leitor biométrico vai depender da localização do sensor do aparelho. Ele pode ficar na parte traseira, na lateral ou na parte frontal do celular. E, claro, a preferência de cada pessoa também conta. Então, faça alguns testes para identificar qual o dedo que você vai ter mais facilidade em posicionar no leitor de digitais.

Na hora de fazer o cadastro, o sistema do aparelho vai oferecer a opção de cadastrar vários dedos. Isso também é importante (já vamos chegar lá), mas vale a pena usar os dois primeiros para cadastrar o mesmo dedo. Assim, fica mais fácil para o aparelho fazer a identificação em menos tempo e com maior precisão.

 

Mude a posição dos dedos na hora do cadastro das digitais

 

A cada registro, o sistema vai pedir para você posicionar os dedos várias vezes no sensor, para realizar um mapeamento mais completo das suas impressões digitais. Então, outra dica que vai melhorar a precisão do leitor biométrico é mudar, levemente, a posição dos dedos no cadastro.
Isso vale para o posicionamento do dedo no sensor e também para o ângulo do dedo no dispositivo. A cada registro, coloque o dedo mais para cima, para baixo e nas laterais do leitor de digitais. Faça também leve mudanças no posicionamento dos dedos, para que o leitor reconheça as linhas laterais ou mais do alto por exemplo.

Com isso, o leitor biométrico vai ter um reconhecimento mais completo das suas digitais. Logo, você tem mais chances de desbloquear o aparelho na primeira tentativa, sem importar a posição que coloque o dedo no leitor.

 

Faça o cadastro com vários dedos, e das duas mãos

 

Como dissemos antes, o sistema do celular oferece opções para cadastro de diferentes dedos. Por mais que, em um primeiro momento não pareça necessário, é válido usar cada um deles. Após o registro do dedo mais usado em duas dessas posições, faça o cadastro dos outros dedos.

E não esqueça de marcar dedos das duas mãos, mesmo que você tenha o hábito de navegar mais na tela do celular com uma delas. Afinal, é bom ter alternativas para quando, por qualquer motivo que seja, você não puder fazer o desbloqueio com a mão mais usada. Nessas situações, é bem mais fácil posicionar um dos dedos da outra mão no sensor do que digitar uma senha ou padrão.

Outra dica importante é que você faça o cadastro com os dedos bem limpos. Mesmo detalhes como um corte, sujeira ou suor podem alterar o sistema de reconhecimento do leitor biométrico.

 

Faça o cadastro de quem usa o aparelho com frequência

 

Caso outra pessoa costume usar o seu aparelho com maior frequência, inclua suas digitais no cadastro do sistema. Assim, a pessoa fica com mais liberdade para desbloquear o aparelho, sem problemas.

Vale notar que essa alternativa pode ser mais segura do que passar a senha numérica para desbloqueio (PIN) ou o desenho padrão na tela. Esses dados são requisitados em alterações do sistema, como na mudança dos padrões de segurança, senhas e no próprio cadastro de digitais. Já o simples reconhecimento das digitais apenas desbloqueia o aparelho, mas não permite essas ações.

 

Mantenha o sensor biométrico limpo

 

Mais uma vez, observe que cada detalhe faz diferença na leitura de digitais. Assim, pode ser que, em algum momento, você repare que o leitor não está tão preciso. Isso pode acontecer caso os seus dedos estejam molhados (ou mesmo úmidos ou suados), sujos ou engordurados. Também pode ser que alguma partícula de poeira esteja atrapalhando o reconhecimento.

Assim, além de mãos limpas e secas, mantenha o sensor do aparelho sempre bem limpinho. Isso evita o acúmulo da gordura (natural dos dedos e do suor) e partículas. E não precisa ser nada muito complicado. Só passar um paninho liso, cotonete ou pedacinho de algodão (sempre secos) de dias em dias já resolve.