icone office 365

R$40 de desconto no Office 365 com o cupom: CD40

Teste de velocidade

Dicas e curiosidades

Biometria no celular: conheça as formas de proteger seus dados

Saiba como manter sua privacidade e segurança com a biometria no celular.

A biometria no celular vem evoluindo ao longo dos anos. Os métodos, atualmente, são variados e podem oferecer mais ou menos segurança.

Ela ajuda a proteger a sua privacidade e seus dados, já que permite que o celular seja desbloqueado a partir de características físicas que são únicas em cada indivíduo.

Listamos algumas das formas de biometria no celular mais conhecidas para você entender melhor como funcionam e investir em aparelhos com essa tecnologia!

Quer comprar um celular com desbloqueio por meio de biometria? Encontre diversas opções na loja da Claro e compre agora o seu!

Leitor de impressão digital

O leitor de impressão digital é um das formas mais populares de desbloquear o celular por biometria. Ela surgiu em smartphones a partir do iPhone 5S. Entretanto, a Apple abandonou o método a partir do iPhone X.

A tecnologia funciona, basicamente, a partir do reconhecimento da impressão digital do usuário, que geralmente pode cadastrar mais de um dedo, facilitando na hora do uso. 

Os sensores de impressão digital já eram conhecidos antes mesmo de serem integrados aos celulares. Eles podiam (e ainda podem) ser encontrados em caixas de banco, catracas de empresas e outros estabelecimentos comerciais.

Essa forma de biometria no celular é considerada segura, já que cada usuário tem uma impressão digital que é única.

No entanto, esse método pode ser aplicado de diferentes formas nos celulares. Por exemplo, o sensor pode estar na parte da frente do smartphone, integrado ao botão Home, como acontecia nos modelos da Apple até o iPhone 8.

Além disso, pode vir na lateral do modelo ou mesmo na parte de trás, como é o caso de aparelhos como Redmi Note 7

e do Galaxy A30.

Outra aplicação do leitor de impressão digital é integrado à tela, como uma forma de aumentar o aproveitamento frontal dos smartphones. O chamado sensor ultrassônico pode ser visto em smartphones como o Galaxy Note 10.

Reconhecimento facial

Outra forma de biometria no celular em que a Apple foi pioneira foi o reconhecimento facial, chamado pela marca de Face ID

Esse método usa a câmera frontal para reconhecer traços do rosto do usuário e realizar o desbloqueio. Dessa forma, basta encarar o smartphone para que a tela seja liberada.

Contudo, essa forma de biometria no celular não funciona muito bem em todos os aparelhos. Alguns são mais lentos e outros podem até mesmo ser desbloqueados a partir de uma foto do usuário.

Para coibir esse tipo de falha, as fabricantes vêm adotando uma tecnologia chama de time of light (ToF). Ela é capaz de identificar a profundidade do ambiente para distinguir ambientes reais e fotos.

Leitor de íris

A íris é outra parte do corpo que é única em cada pessoa. Por isso, o leitor de íris foi integrado ao Galaxy S8 e perdurou até o Galaxy S9. Contudo, ele deixou de ser usado em celulares Samsung. Um dos motivos para ter sido deixado de lado é que era mais lento que o leitor de impressão digital, por exemplo.

Quer economizar no seu plano de celular e banda larga? Confira aqui as melhores ofertas da semana!

voltar para o top